Polytechnic University of Valencia Congress, Systems & Design 2017

Font Size: 
A COMPREENSÃO SISTÊMICA E O PENSAMENTO DO DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS PARA A CULTURA SLOW FOOD E DE PRATICAS COLABORATIVAS.
Isabel Cristina Moreira Victoria, Attilio Bolivar Ourives de Figueiredo, Eliete Auxiliadora Assunção Ourives, Luiz Fernando Gonçalves de Figueiredo, Giovana de Freitas Rabelo Ribeiro, Francisco Gómez Castro

Last modified: 18-11-2017

Abstract


RESUMO

A sociedade atual vive em um contexto tumultuoso, sendo comum as pessoas viverem de forma mais estressadas, se alimentando mal e convivendo cada vez menos com as pessoas, perdendo oportunidades de fazer e manter relacionamentos pessoais. Como este estilo de vida está saturado, gerando problemas de saúde aos indivíduos, existem diversos estudos que comprovam a tendência de que as pessoas buscarão um melhor aproveitamento do seu tempo, com um maior contato com a natureza, dando valor ao seu próprio bem-estar, prestando mais atenção no que consome e em como consome, assim como a valorização do prazer de estar em um meio social. Nesse contexto, o objetivo deste trabalho é contribuir por meio da visão sistêmica e do design, o incentivo e a prática da filosofia Slow Food, e dessa forma, promover a preocupação com uma saudável forma de alimentação e a ação colaborativa entre as pessoas, em que um indivíduo possa cooperar com o outro, resgatando o convívio e socialização. Assim, pretende-se atuar em pequenas unidades urbanas externas, como prédios, condomínios, praças e avenidas com intuito de criação de um artefato que motive a prática dessa filosofia, assim como impulsione também as práticas colaborativas nestes locais, buscando a integração social e desenvolvimento econômico e ambiental, atendendo os princípios da sustentabilidade e o desenvolvimento local. O método de pesquisa usado é descritivo, em que se observou e analisou as situações e relações dos indivíduos, tanto de forma individual quanto as relações em sociedade.  Os instrumentos escolhidos para coleta de dados foram o questionário, entrevistas e observações abertas, feitas informalmente ao decorrer das entrevistas. Neste trabalho integrou-se dois métodos de projeto, a ferramenta HCD/IDEO (Human Centered Design - Design Centrado no Ser Humano), usado como base, com técnicas para o entendimento dos desejos e necessidades da comunidade estudada e o Guia de projeto NASDesign/UFSC (Núcleo de Abordagem Sistêmica do Design/Universidade Federal de Santa Catarina), dividido em três fases: Sentir, Agir e Realizar, como complementação. Ao final, conclui-se que o modelo físico do produto proposto atende uma lista de requisitos divididos em três grande grupo: requisitos de produto, referentes à forma, materiais e texturas do objeto; requisitos do usuário, referente a necessidade entendida a partir do tipo de ambiente em que o produto está, e de como ele está sendo usado e aos requisitos do contexto de uso, que consiste nas necessidades do usuário observado durante a pesquisa.

Palavras Chaves: design de produto, slow food, sustentabilidade.

 

 

REFERÊNCIAS

ANDRADE, Aurélio L. et al. Pensamento sistêmico: caderno de campo: o desafio das mudanças sustentada nas organizações e na sociedade. Porto Alegre: Bookman, 2006.

AROS, Kammiri Corinaldesi. Elicitação do processo projetual do Núcleo de Abordagem Sistêmica do Design da Universidade Federal de Santa Catarina. Orientador: Luiz Fernando Gonçalves de Figueiredo – Florianópolis, SC, 2016.

BARBOSA FILHO, Antonio Nunes. Projeto e Desenvolvimento de Produtos - São Paulo:  Editora Atlas S.A. - 2009.

BERTALANFFY, Ludwig Von. Teoria geral dos sistemas. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

BEST, Kathryn. Fundamentos de gestão do design. Porto Alegre: Bookman, 2012. 208 p.

BISTAGNINO, Luigi. Design sistêmico: uma abordagem interdisciplinar para a inovação. p.13-30. In:

BOAS, Eduardo Villas. Perfils de consumo: VALS2 aponta oito tipos de consumidores. Disponível em: < http://www.audaces.com/br/educacao/falando-de-educacao/2013/10/16/perfis-de-consumo-vals2-aponta-oito-tipos-de-consumidores-2>. Acesso em: 7 out. 2016.

BRUNDTLAND, Gro Harlem. Nosso futuro comum: Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. 2a. ed. Rio de Janeiro: FGV, 1991.

BRUNEL, Felipe Kanarek; O design estratégico em nível metaprojetual como suporte para a inovação social: o caso slow food, p. 202-210 . In: Anais do 5º Simpósio Brasileiro de Design Sustentável [=Blucher Design Proceedings, v.2, n.5]. São Paulo: Blucher, 2016. ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-sbds15-2st701b

CAPELLO, Giuliana. Slow Life: vida mais calma, lenta e confortável. Planeta Sustentável: 16 set 2008. Disponível em: <http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/gaiatos-e-gaianos/109647/>. Acesso em: 4 out. 2016.

CAPRA, Fritjof. Teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 1998

CARDOSO, Rafael. Uma Introdução à História do Design. São Paulo: Edgard Blucher, 2008. 56.

COGO, Rodrigo. Tendências Globais de Consumo. Disponível em: < http://www.aberje.com.br/blogs/post/tendencias-globais-de-consumo-para-2016/>. Acesso em: 1 nov. 2016.

DEHEINZELIN, Lala. Desejável Mundo novo: vida sustentável, diversa e criativa em 2042. 1ª edição. São Paulo, SP | 2012

ERLHOFF, Michael; MARSHALL, Timothy (Ed.) Design Dictionary: Perspectives on Design Terminology. Basel, Switzerland: Birkhauser Verlang Ag, 2008. (Board of International Research in Design).

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ICSID. Definition of Design. About ICSID: 2013. Disponível em: <http://www.icsid.org/about/about/articles31.htm>. Acesso em: 04 out. 2016.

IDEO. HCD: Human Centered Design - kit de ferramentas. 2. ed. 2010.

KRUCKEN, L. Design e Território: valorização de identi- dades e produtos locais. São Paulo: Studio Nobel, 2009.

KRUCKEN, L.; TRUSEN, C. A comunicação da sustentabilidade em produtos e serviços. In: DE MORAES, D., KRUCKEN, L. Design e Sustentabilidade. Coleção Cadernos de Estudos Avançados em Design, Belo Horizonte: EdUEMG, 2009.

KUEHR, R. Environmental technologies: from a misleading interpretations to an operational categorization and definition. Journal of Cleaner Production, 2007.

MANZINI, Ezio. Design para a inovação social e sustentabilidade: Comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais. Rio de Janeiro: E-papers, 2008. 104 p. (Caderno do Grupo de Altos Estudos do PEP/UFRJ; v.1).

MANZINI, Ezio. Design, when everbody designs: an introduction to design for social innovattion. Cambridge: MIT Press Book, 2015. 241p.

MANZINI, Ezio. Making Things Happen: Social Innovation and Design. Design Issues: v.30 n.1, 2014.

MANZINI, Ezio; VEZZOLI, Carlo. O desenvolvimento de produtos sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. São Paulo: Edusp – Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

MARCONI, M. A.; Lakatos, E. M. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2007.

MELO FILHO, Álvaro de. Designing marketing. Fragmentos de Cultura, Goiânia, 2009. Disponível em: seer.ucg.br/index.php/fragmentos/article/viewFile/994/696. Acesso em: 14/04/2011.

MORARES, Dijon de. Metaprojeto: o design do design. São Paulo: Blucher, 2010.

MORARES, Dijon de; KRUCKEN, Lia. Cadernos de estudos avançados em design: Sustentabilidade II. Barbacena: EdUEMG, 2009. 79p.

MOZOTA, B. B. Gestão do design: usando o design para construir valor de marca e inovação corporativa. Porto Alegre: Bookman, 2011.

POTTER, N. Qué es un diseñador: objetos, lugares,mensajes. Buenos Aires: Paidós, 1999.

REID, Mariana. A contribuição do design na motivação da prática do Slow Food; Florianopolis,SC, 2014. 149 p.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

Slow Food Brasil, 2013. Disponível em: <http://www.slowfoodbrasil.com/>. Acesso em: 4 out. 2016.

Slow Moviment Portugal, 2014. Disponível em: <http://www.slowmovementportugal.com/> Acesso em: 4 de out. 2016.

Slow Moviment, 2016. Disponível em <http://www.slowmovement.com/slow_living.php> Acesso em: 4 de out. 2016.

STICKDORN,Marc. Isto é design thinking de serviços/ Marc Stickdorn, Jakob Schneider e coautores ; tradução: Mariana Bandarra ; revisão técnica : Clarissa Biolchini. Porto Alegre : Bookman, 2014.

SUDJIC, Deyan. A Linguagem das Coisas. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2010.

THACKARA, John. Plano B: o design e as alternativas viáveis em um mundo complexo - tradução Cristina Yamagami - São Paulo : Saraiva : Versar, 2008. 299 p.

VALENTE, Edison. Slow Design. Revista Planeta: Ambiente: out.2013. Disponível em: <http://revistaplaneta.terra.com.br/secao/ambiente/slow-design>. Acesso em: 30 out. 2016. 58

VEZZOLI, Carlo. Design de sistemas para a sustentabilidade: teoria, métodos e ferramentas para o design sustentável de sistemas de satisfação. Salvador: EDUFUBRA, 2010. 343p.