Polytechnic University of Valencia Congress, Systems & Design 2017

Font Size: 
A IMPORTÂNCIA DA ABORDAGEM SISTÊMICA NA ERGONOMIA PARA UM DESIGN FUNCIONAL
Eliete Auxiliadora Ourives, Attilio Bolivar Ourives de Figueiredo, Luiz Fernando Gonçalves de Figueiredo, Milton Luiz Horn Vieira, Isabel Cristina Victoria Moreira, Francisco Gómez Castro

Last modified: 18-11-2017

Abstract


RESUMO

A abordagem sistêmica é um processo interdisciplinar, cujo princípio primordial é compreender a interdependência recíproca e relações de todas as áreas e da necessidade de sua integração, permitindo maior aproximação entre os seus limites de estudo. Nesse contexto o olhar sistêmico, da ergonomia, sobretudo no que se refere à segurança, ao conforto e à eficácia de uso, de funcionalidade e de operacionalidade dos objetos, considerando todos os produtos ou sistemas de produtos, como sistema de uso, desde os mais simples aos mais complexos ou sistêmicos, tem como objetivo adequá-los aos seres humanos, tendo em vista as atividades e tarefas exercidas por eles.  No que se refere ao design funcional, os conhecimentos da ergonomia, nessa visão sistêmica, relativos à sua metodologia de projeto, são absolutamente necessários, e a sua aplicação aponta a melhor adequação dos produtos aos seus usuários. Como é o caso do vestuário feminino funcional, sobretudo no que se refere a proteção das mamas, que são peças convencionais que necessitam de um correto dimensionamento e especificação dos tecidos e de outros materiais. É um tipo de vestuário que apresenta funcionalidade diversa, como para a proteção física, o aumento do volume da mama, enchimento no bojo de pano, de água, de óleo, estruturado com arame, etc.; para amamentação (sutiã que se abre na frente, em parte ou totalmente); para o design inclusivo (pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, no caso de mamas com prótese ou órtese) facilitando com fechamentos e aberturas colocadas em peças de roupas difíceis de manusear, roupas confortáveis e fáceis de vestir. São peças usadas por pessoas com biótipos e percentis antropométricos variáveis e com características corporais que mudam significativamente nas passagens para a adolescência, idade adulta e idosa. As mudanças corporais apresentam diferenças significativas em termos de volume das mamas, nas quais as soluções ergonômicas por uma abordagem sistêmicas que se evidencia mais para a complexidade de uso, são as mais necessárias em termos de atributos como, segurança, conforto, comodidade corporal, facilidade do vestir, funcionalidade, além da estética. Esta pesquisa, embora exploratória e descritiva, não isenta de desafios, tem por objetivo, por meio de dados e informações ergonômicas sistêmicas contribuir com o design funcional, de modo a oferecer subsídios para a confecção de roupas funcionais ou tecnologia vestível, com os atributos citados, respeitando a diversidade e inclusão das pessoas em todas as fases de sua vida, atendendo assim os princípios formais do design.

Palavra-chave: Abordagem sistêmica, Ergonomia, Design funcional.

 

REFERENCIAS

AROS, Kammiri Corinaldesi. Elicitação do processo projetual do Núcleo de Abordagem Sistêmica do Design da Universidade Federal de Santa Catarina. Orientador: Luiz Fernando Gonçalves de Figueiredo – Florianópolis, SC, 2016.

BERTALANFFY, Ludwig V. Teoria geral dos sistemas: fundamentos, desenvolvimento e aplicações. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

BEST, Kathryn. Fundamentos de gestão do design. Porto Alegre: Bookman, 2012. 208 p.

CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas. 3ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

CORRÊA, Vanderlei Moraes; BOLETTI, Rosane Rosner. Ergonomia: fundamentos e aplicações. Bookman Editora, 2015.MERINO, Eugenio. Fundamentos da ergonomia. 2011. Disponível em: <https://moodle.ufsc.br/pluginfile.php/2034406/mod_resource/content/1/Ergo_Fundamentos.pdf>. Acesso em: 24 Mar 2017.

DIAS E. C. Condições de vida, trabalho, saúde e doença dos trabalhadores rurais no Brasil. In: Pinheiro TMM, organizador. Saúde do trabalhador rural –RENAST. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.p. 1-27.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOMES FILHO, J. Ergonomia do objeto: sistema técnico de leitura ergonômica. São Paulo: Escrituras Editora, 2003.

GUIMARÃES, L. B. M. (ed). Ergonomia de Processo. Porto Alegre, v.2, PPGE/UFRGS, 2000.

IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. 2ª ed rev. e ampl. – São Paulo: Edgard Blucher, 2005.

MANZINI, Ezio. Design para inovação social e sustentabilidade: comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais. Rio de Janeiro: E-Papers, 2008, 104p.

MARCONI, M. A.; Lakatos, E. M. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2007.

Pandarum, R., Yu, W., and Hunter, L., 2011. 3-D breast anthropometry of plus-sized women in South Africa. Ergonomics, 54(9), 866–875.

McGhee, D.E., Steele, J.R., and Munro, B.J., 2008. Sports bra fitness. Wollongong (NSW): Breast Research Australia.

McGhee, D.E., Steele, J.R., and Munro, B.J., 2010. Education improves bra knowledge and fit, and level of breast support in adolescent female athletes: a cluster-randomised trial. Journal of Physiotherapy, 56, 19–24.

Pechter, E.A., 1998. A new method for determining bra size and predicting postaugmentation breast size. Plastic and Reconstructive Surgery, 102 (4), 1259–1265.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

RIO, R. P. DO; PIRES, L. Ergonomia: fundamentos da prática ergonômica, 3ª Ed., Editora LTr, 2001.

SANTOS, N. ET AL. Antropotecnologia: A Ergonomia dos sistemas de Produção. Curitiba: Gênesis, 1997.

VASCONCELLOS, Maria José Esteves de. Pensamento sistêmico: O novo paradigma da ciência. 10ª ed. Campinas, SP: Papirus, 2013.

WEERDMEESTER, J. D. e B. Ergonomia Prática. São Paulo: Edgard Blucher, 2001.

WHITE, J.; SCURR, J. Evaluation of professional bra fitting criteria for bra selection and fitting in the UK. Ergonomics,  1–8. 2012.

WHITE, J.;SCURR, J.; SMITH, N. The effect of breast support on kinetics during overground running performance. Ergonomics, Taylor & Francis. 52 (4), 492–498. 2009.