Polytechnic University of Valencia Congress, Systems & Design 2017

Font Size: 
Análise textual do conteúdo em websites e redes sociais com uma abordagem sistêmica para a Gestão Estratégica de Design na criação de nomes de marcas: um estudo de caso.
Larissa Berlato, Francisco Gomez Castro, Giselle Schmidt Alves Díaz Merino, Eugenio Eugenio Andrés Díaz Merino

Last modified: 21-11-2017

Abstract


Florianópolis possuí 15 centros universitários, cerca de 600 empresas de tecnologia e é considerada o quarto destino internacional de eventos no Brasil (ICCA). O interesse em inovação na cidade durante o mês de outubro é observável pelo elevado número de eventos que acontecem, podendo ser agrupados em três dimensões: tecnologia, ambiental e social. Embora sejam dimensões diferentes, todas procuram a reflexão, o aprendizado e o planejamento organizado ligado à inovação. Entretanto, esses eventos são organizados e comunicados individualmente, criando situações de concorrência direta entre eles. Em alguns casos, essa concorrência gera problemas na sustentabilidade financeira, por falta de participantes, ou apenas repetição dos participantes, por falta de visibilidade. Essa situação enfraquece a experiência do visitante e gera uma visão da cidade bem menos diversa em alternativas de conhecimento. Florianópolis possuí potencial de cidade criativa, a qual promove a revitalização cultural, a atração de indivíduos criativos, o estímulo da participação social e apoio financeiro às indústrias culturais e áreas afins. Esse conceito está baseado na economia criativa, que se assenta sobre a relação entre a criatividade, o simbólico e a economia (HOWKINS, 2002). O desenvolvimento das atividades de lazer e de uma imagem local, assim como salientar as características culturais e experienciais do lugar, resulta em especial interesse na gestão estratégica comunicacional da cidade. O objetivo desse artigo é o levantamento das características e atributos para a criação de um nome e valores de marca que considere todos os agentes envolvidos nos eventos de inovação em Florianópolis. A perspectiva da pesquisa foi baseada na teoria fundamentada com uma abordagem sistêmica, e na sua classificação: aplicada por sua natureza, qualitativa pela forma de abordagem, exploratória por seus objetivos e um estudo de casos pelos procedimentos técnicos. Os objetos pesquisados foram os websites e as redes sociais dos eventos do estudo. Os métodos de análise foram: análises webométricas, para medir o fator de impacto não world wide web dos websites de estudo; análise textual do conteúdo por meio de nuvens de palavras e um análise de redes (ARS) dos sites de redes sociais dos websites de estudo. O tipo de amostra do foi intencional: por intensidade e conveniência (FRAGOSO, RECUERO, AMARAL, 2011). Os resultados obtidos propõem uma série de características, valores e atributos para a criação do nome da marca baseado no conceito de inovação desenvolvido na cidade de Florianópolis e organizados nas dimensões: social, ambiental e tecnológico mapeadas no início da pesquisa.

Palavras-chave: Abordagem Sistêmica, Naming, Gestão de Design, Cidades Criativas, Design sistêmico.

Referências

AAKER, D. Construindo marcas fortes. Porto Alegre: Bookman, 2007.

ANDRADE, A. L. et al. Pensamento sistêmico: caderno de campo: o desafio das mudanças sustentada nas organizações e na sociedade. Porto Alegre: Bookman, 2006.

BERRY, L.L. Big ideas in Service Marketing. Journal of Services Marketing, 1(1), 5-9, 1987.

BERTALANFFY, L. Von. Teoria geral dos sistemas. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

BEST, K. Fundamentos de Gestão do Design. Porto Alegre: Bookman, 2012. Tradução: André de Godoy Vieira.

CARDOSO, R. Design para um mundo complexo. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO RIO DE JANEIRO (FIRJAN). Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil. [2014]. Disponível em: <http://www. rjan.org.br/economiacriativa/pages/default.aspx>. Acesso em: 4 jun. 2015.

FLORIDA, R. A Ascensão da Classe Criativa – e seu papel na transformação do trabalho, do lazer, da comunidade do cotidiano. Porto Alegre: L&PM Editores, 2011.

FRAGOSO, S.; RECUERO, R. e AMARAL, A. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 239 p., 2011.

HOWKINS, J. The creative Economy – how people make money from ideas. Londres: Penguin Books, 2007.

KOTLER, P; ARMSTRONG, G. Princípios de Marketing. Tradução: Vera Whately, revisão técnica: Roberto Meireles Pinheiro. 7.ed. Rio de janeiro: LTC, 1999.

Landry, C. The Creative City. London: Earthscan/Comedia, 2001.

MARTINS, R. F. de F. e MERINO, E. A. D. Gestão de Design como Estratégia Organizacional. 2a. ed. Londrina: EDUEL, 2011.

MOZOTA, B. B. de. Gestão do design: usando o design para construir valor de marca e inovação corporativa. Porto Alegre: Bookman, 2011.

ONU, UNCTAD. Creative economy report 2013 special edition. UN, 2013.

SILVA, Carina Scandolara da. Abordagem sistêmica com foco na gestão de design sustentável: o caso Nuovo Design. Florianópolis, 2012. 147 p. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão. Programa de Pós-Graduação em Design e Expressão Gráfica Disponível em: <http://www.tede.ufsc.br/teses/PGDE0037-D.pdf>

UNCTAD. The Creative Economy Report, 2010.

WHEELER, A. Design de identidade da marca: Guia essencial para toda a equipe de Gestão de marcas. 3. ed. Porto Alegre: Bookman. 319 p, 2012.